image

De todas as coisas que me entristecem na maternidade, a falta de auto estima ou de se poupar e se valorizar,me parece ser uma das mais tristes.

Somos cobradas a partir do momento em que nós descobrimos grávidas, são tantos questionamentos e também tanta projeção das pessoas ao nosso redor, que por vezes nos sentimos sufocadas.
O meu conselho de quem já está nesta “maternidade” há quase 20 anos,é para que você se poupe um pouco.

Permita-se errar, não se critique nem se culpe, a todo momento. Acredite que você é sim, uma boa mãe.

Um texto valoroso para uma mãe que está precisando de uma força,ou apoio moral,correu as redes e trago aqui para vocês.

Espero que estas palavras cheguem a todos os corações maternos aflitos.

Acredita, vocé não é uma má mãe.
Não é uma má mãe,porque impõe uma hora para seus filhos irem para a cama.
Porque não concorda que,o teu filho passe o tempo diante de uma televisão, vendo desenhos animados horas a fio.
Porque, na maior parte dos dias, não consegue chegar a tempo de brincar com ele tanto tempo quanto gostaria.
Porque não compra todos os brinquedos que ele te pede.
Porque faz questão que ele consuma verduras e legumes em todas as refeições.
Não é má mãe quando a paciência se esgota e tem que respirar fundo cinco vezes antes de voltar a falar.
Quando chega em casa e não sabe como vai arranjar energia para fazer tudo aquilo que te espera.
Quando às vezes te lembra do tempo sem filhos e sente alguma nostalgia.
Se te questionas.
Quando vai em frente mesmo quando não tem certeza.
Porque defende aquilo em que acredita.
Quando todo mundo lhe diz que precisa ter calma, relaxar.
Quando tem dúvidas .
Quando não tem todas as respostas.
Porque os teus filhos deixaram de te contar tudo e os amigos deles sabem mais da sua vida que você.
Quando tem medo.
Quando não sabe que caminho seguir.
Não é má mãe porque os teus filhos fazem coisas que nunca imaginou.
Se o teu filho tem piores notas do que deveria (nem ele é mau filho por isso).
Quando ninguém compreende as tuas opções.
Porque insiste que os pequenos têm que ter rotina.
Porque deixa crescer a pilha de roupas para passar.
Quando decide que precisa de um tempo para você.
Quando o teu cérebro está tão cansado que só ouve trinta por cento do que o teu filho te diz mas faz um esforço para reter tudo.
Não é perfeita.
É mãe e esse é o maior, melhor e mais duro trabalho do mundo.
Vai ter dias ótimos e vai ter dias terríveis. E vai ter dias que se repetem com poucas mudanças. Aproveita-os porque os pequenos crescem num tiro e você também não está a ficar mais nova.
E isso significa que tem sempre oportunidade de melhorar, de mudar.
Nunca será aquilo que sempre imaginaste mas acredita que é tudo aquilo de que os seus filhos precisam. Com todas essas “falhas”. Eles amam você como você é.
E não há nada tão bom neste mundo.
Autora do texto: Marta Coelho