Como as birras podem se tornar um exercício interno para as mães

Talvez já tenha acontecido uma situação assim com você,se você for mãe com certeza ocorreu! Você inicia o seu dia ou mesmo um passeio muito bem, o bom humor está presente, as boas intenções ainda que em terreno tão “plástico” quanto o raciocínio de uma criança pequena,contudo, basta alguém uma pequena birra vislumbrar ao longe e você esquece de todo o mantra que veio e entoando desde que saiu de casa. Nuvens carregadas, irritação á flor da pele, todo seu ambiente interno é alterado. Seu ponto de apoiointerior está arruinado. Somos então arrastadas pelo mau humor,pelos gritos estridentes da criança birrenta que chora. E chora alto. E no seu ouvido enquanto dirige. E aí a coisa se alastra e sua irritação e pela falta de paciência das pessoas no trânsito etc.

No budismo existem algumas ações que fazem todo o sentido para ajudar-nos a mantermos o cenário de paz dentro de nós. Mesmo se você não for budista como eu, não tem problema,pois pode passar a aplicar esta “técnica” ou aprendizado em todas as situações em sua vida. Acompanhem o raciocínio para ver se não faz sentido!

Somos como folhas ao vento, toda vez que encontramos a paz, vem um poderoso vento (ou criança fazendo birra rsss) e nos carrega para outro cenário. Tanto eventos negativos quanto positivos possuem o poder de nos levar para esses cenários. Uma folha ao vento não possui poder para manter-se no local de sua paz.

Para evitar sermos carregados pelas emoções e sentimentos do outro devemos praticar a ação de poder. Veja que quando falo em ação de poder, a ação em si é não permitir ser carregado pela emoção do outro. É manter seu estado emocional sereno e leve mesmo que os eventos externos tentem carregar você para outra vibração. É ter a capacidade de manter sua energia onde você deseja e não ser carregado por qualquer outra que entre em seu espaço. Isso é ter poder sobre as próprias emoções.

A ação de poder está em possuir o poder de não deixar nada e nem ninguém alterar o seu estado de espírito. Está em você manter a serenidade, em não se deixar levar pelas energias e fatores externos. A possuir o poder de escolha de suas ações.

Quando falo sobre a ação de poder muitos pessoas dizem que é difícil realizar isso, pois quando alguém lhes profere palavras rudes, é incontrolável o instinto de revidar. Eu digo a elas que podemos vencer esse instinto nos tornando conscientes de nossas motivações e emoções. Devemos praticar o silêncio ao invés da resposta,na verdade isto para mim foi bem instintivo, eu fiz essa tática, ou ela “apareceu” para mim como técnica de sobrevivência,usar a respiração ao invés da verbalização, a compreensão ao invés do orgulho. Agindo assim adquirimos o poder de manter nosso estado de espírito, o poder de manter nossa serenidade e raciocínio.

Somente praticando é que seremos hábeis em realizar a ação de poder. Passamos a vida praticando nossa falta de poder. Ficamos sempre a mercê dos eventos, como disse anteriormente, uma folha ao vento. Quando somos crianças aprendemos que devemos reagir diante de situações frustrantes, que devemos nos defender e proteger. Obviamente, que se somos submetidos a situações ruins e frustrantes, devemos tomar as medidas necessárias para podermos modificar a situação. Porém, não precisamos abalar nosso interior, podemos executar as medidas com nosso centro emocional controlado e em paz.

Quando sentir que seu centro emocional foi abalado, não se sinta mal por respirar fundo. Respire fundo, de dois passos para trás. Permita a você mesmo ter tempo para respirar. Respire fundo e solte o ar devagar. Não permita que outra pessoa transfira para você o estado mental e emocional que ele carrega.

Devemos ser como o tronco de uma árvore que durante a pior das tempestades se mantém firme e sólido em sua base. Não permita que alguém arraste você para outro estado de espírito, mantenha-se sereno e verá o poder que isso traz à sua vida.

Eu achei tão lindo este texto, e na introdução eu contei a minha experiência de hoje com o Heitor, na volta da aula de natação da Isa.

Em um primeiro momento eu me enfureci, com tamanha birra que ele fez, ele estava totalmente fora de si e chorando e gritando porque viemos embora e ele queria ficar, e realmente tínhamos que vir. Mas foi incrível, poder ter pensado nisto,na verdade eu tenho me antecipado para lidar com essas questões que estão tão presentes como a birra.

E é um aprendizado,é uma questão mesmo de não deixar abalar seu centro emocional,de não irar-se.

Mas,é um exercício, e exige muito. Porém a crise passou, o choro, a birra,os gritos. Tudo silenciou-se, entre mortos e feridos salvaram-se todos. Eu não ergui um dedo sequer para o meu filho. E eu sei que sou capaz de lidar com mais e mais situações desgastantes porque evoluo a cada dia. Construí nosso relacionamento e meu posicionamento dentro dele a cada dia. Eu sou a mãe, aquele que fortalece, que ensina, sofro, aliás a criação dos filhos é uma coisa que nos custa. Temos que nos posicionar. Mas escolha sempre o posicionamento amoroso. E sereno.

Como foi dito lá em cima, você verá o poder que isto traz á sua vida.

Um beijo.

Mamãe Andressa💙