Abuso sexual,conscientização corporal

Abuso sexual,conscientização corporal

Chegou aquela fase em nossa vida,que as crias bebem água no copo de vidro👀 momentos de tensão! Ou seja, acabou neném,por sinal Heitor anda fazendo várias observações, dando várias opiniões em tudo. Meu corpo minhas regras,e dá-lhe não querer nem tomar banho 😂😂😂 exagero meu lógico ele ainda não tem esta maturidade, claro que trabalho já isto nele para que o no corpinho dele só ele toque, ou papai e mamãe, as tatas, eu falo que o pipi dele que é para fazer xixi, e ensino ele a limpar no banho, que não precisa outras pessoas pegarem porque ele já sabe fazer xixi sozinho, para ele entender já crescer sabendo que sim MEU CORPO MINHAS REGRAS SIM, e ele ja tem feito há um tempo na verdade a fase de explorar os órgãos sexuais,ele olha, às vezes pergunta porque o pipi dele é assim,porque a mamãe não tem pipi, ele já me viu no banheiro colocando absorvente,tudo muito natural, não forço nada,conforme a demanda de perguntas vai surgindo e ele vai amadurecendo eu vou respondendo. Enfim, prolonguei o assunto que era só para ilustrar a fase “copo de vidro” quando houver um adulto por perto para auxiliar dele. Como mãe adora,e PRECISAMOS falar sobre as fases de nossos filhos não? E agora me vou porque as prateleiras do quarto não vão se desempoeirar sozinhas. E que tempo seco e empoeirado tem feito aqui! Xoxo amigas💙mais tarde eu volto na pausa para reflexão do dia, entre uma das 1001 atividades domésticas e artísticas do dia😂😂😂só uma coisinha antes de ir pra mostrar como o dia não está fácil para essa mãe que enfrenta essa barra que é manter a palavra que a filha do meio não vai ao shopping hoje, por motivos educacionais lembrei do tempo que ouvia Raça negra e a música “essa barra que é gostar de você ” era minha única preocupação. Texto acima postado no nosso Instagram @babysaudavel aproveite e venha nos seguir. Maternidade ao vivo e em cores.

Abaixo algumas informações sobre a prevenção ao abuso infantil, que você pode adotar para sua vida e educação dos seus filhos.

Prevenir o abuso sexual infantil é uma tarefa difícil para os pais, responsáveis, e a sociedade em geral, por isso todos devemos estar envolvidos nisso.
O abuso sexual às crianças pode ocorrer na família, através do pai, do padrasto, do irmão ou outro parente qualquer. Outras vezes ocorre fora de casa, como por exemplo, na casa de um amigo da família, na casa da pessoa que toma conta da criança, na casa do vizinho, de um professor ou mesmo por um desconhecido.

Antes de considerar medidas mais diretas, os pais devem primeiro proporcionar um cuidado especial às crianças. Ou seja, reconhecer a criança como pessoa e seus direitos, respeitar o desenvolvimento evolutivo da criança, estabelecer empatia e comunicação efetiva com ela, criar um vínculo afetivo e interativo. E resolver seus problemas de uma forma positiva e não violenta.

Devido ao fato da criança muito nova não ser preparada psicologicamente para o estímulo sexual, e mesmo que não possa saber da conotação ética e moral da atividade sexual, quase invariavelmente acaba desenvolvendo problemas emocionais depois da violência sexual, exatamente por não ter habilidade diante desse tipo de estimulação.
Medidas preventivas contra a pederastia que os pais podem tomar em relação aos filhos:
– Diga aos filhos que “se alguém trata de tocar-lhe o corpo e fazer-lhe coisas que te fazem sentir-se incomodado, diga NÃO à pessoa” e que conte logo em seguida a vocês, pais.

– Ensine às crianças que o respeito aos mais velhos não quer dizer que tenham que obedecer cegamente aos adultos, e às figuras de autoridade. Por exemplo, não lhes diga “ você sempre terá que fazer o que a professora ou quem te cuida te mandar fazer”.

– Participe dos programas profissionais do sistema escolar para a prevenção.

– Fale claramente com seu menino ou menina sem tabus nem pré-julgamentos sobre assuntos da sexualidade.

– Eduque seu filho sobre a sexualidade desde a idade pré-escolar, na educação formal e não formal.

– Explique ao seu filho a diferença entre uma expressão de carinho e uma carícia sexual.

– Escute com paciência suas dúvidas e responda suas perguntas com simplicicade e serenidade.

– Demonstre ao filho confiança para que exista uma melhor e maior comunicação.

– Deposite confiança na criança se te comunicar que está correndo risco de ser abusado sexualmente.

– Demonstre à criança ainda mais carinho e afeto.

Fonte consultada: